18 de outubro de 2014

Bolsa xadrez, gatinho e seu novelo!

... nem acreditei ao olhar na sacada e ver os pingos pouco a pouco molhando o chão. 
O mormaço foi sumindo e o cheirinho da terra, da grama recém cortada pelo 
jardineiro foi tomando lugar. Ah!... chuva em São Paulo... gracias a Dios!






Prosa

A natureza tem dado sinais dos maus tratos do homem. 
Nossa primavera chegou com dias sem umidade, céu claro e sol reluzente.
A grama fica seca onde os matinhos são os sobreviventes...

O jeito é procurar a sombra das árvores que conscientemente não foram cortadas
aqui no condomínio. Mas, não podemos dizer o mesmo lá de fora, onde árvores
são trocadas por concreto. Que possamos entender o recado e mudar hábitos,
semear no agora para um boa colheita no amanhã.






Artes

Bordei o gatinho e logo peguei a lã e enrolei pra fazer um novelo...
Para treinar a costura, fiz essa bolsinha... devagar vou pegando o jeito, mas queria que 
fosse comprida. Deixei o bordado como bolso.

Pensando em algumas formas de usar... 
Lembrei que minha cunhada vem do trabalho algumas vezes de metrô e aproveita para tricotar; 
Já minha filha ganhou uma câmera e adora descer com ela, livros, bichinhos e 
bonecas de pernas longilíneas...E eu quero voltar da padoca perto de casa com pães e baguetes acomodadas sem amassar.

Foi assim que veio a ideia, para usar em casa ou pra dar de presente. 
É só mudar o tecido, o bordado e uma novinha surgirá!
Para ornar com tricô, crochê, adoráveis artesãs e suas mãozinhas mágicas...
usei xadrez que lembra parque, grama, ar livre... e um gatinho brincalhão com seu novelo!
Concluí que natureza e criatividade andam de mãos dadas... sempre!


Um final de semana com promessa de chuva no domingo pras bandas de cá...
e que seja fresquinho pro seu lado, viu cumadi?!
Um bejim!
=)

14 de outubro de 2014

Brownie (fudge-style) - E a viagem!

Quantas vezes ouvimos ou mesmo falamos que a vida é breve, que rápido passa...
falamos enquanto andamos, corremos, na partida de alguém para outro lugar ou para outra vida... 
falamos e o tempo vai passando.

Parar onde se está... ônibus, metrô, em meio a enfrentamentos... fechar os olhos por alguns instantes, 
respirar fundo algumas vezes e soltar devagar... ajuda a liberar toxinas, o estresse, a raiva e desacelerar.
A nossa mente é quem deve controlar o nosso corpo, isso é o correto. É a chamada inteligência emocional, 
'ah!... mas não é fácil'... '... não consigo...'. Concordo! 
Ninguém pega um carro e sai dirigindo perfeitamente sem antes ter feito aulas e treinado bastante.

A vida é nosso veículo que nos leva a um passeio ou a um fim que não queremos... 
cabe a nós aprendermos guiá-la, treinarmos todos os dias pois os obstáculos, as paisagens, 
os olhares mudam a cada caminho rodado. Freie quando precisar, não se envergonhe de 
usar a ré, de recuar quando sentir que errou ou que não pegou o melhor trajeto...

Pare no canteiro para observar, aproveitar ... Não carregue muitas bagagens! 
Leve músicas, bons aromas e amores com você, afinal, a viagem é curta... é breve!







Brownie (Fudge-style)

200 gr de manteiga sem sal
250 gr de chocolate meio amargo (de preferência 70% cacau)
170 gr de chocolate ao leite
3 xícaras (chá) de açúcar (usei 2)
6 ovos
1-1/2 xícara (chá) de cacau em pó
2 colheres (sopa) niveladas, de farinha de trigo peneirada
2 colheres (chá) de baunilha
1 colher (chá) nivelada, de sal 

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno, forre uma assadeira ( +- 28 x 22 cm), com papel manteiga. Isso facilitará que você retire o brownie inteiro da assadeira (depois de frio), assim o corte sairá mais perfeito e fácil. Unte e enfarinhe o papel-manteiga. Numa tigela de vidro, leve ao microondas a manteiga e os chocolates, picados, potência alta, por 1 minuto e meio.
Retire, mexa com espátula, e se necessário, volte ao micro por mais 30 segundos a 1 minuto. Retire e mexa para ficar homogêneo. Passe essa mistura para a tigela da batedeira, acrescente o açúcar e bata por um minuto. Raspe as bordas da tigela, e acrescente os ovos um a um, batendo em velocidade média após cada adição. Coloque os ingredientes secos e peneirados, e bata só até misturar (brownies não precisam ficar com massa aerada).
Despeje a massa na assadeira preparada, e leve ao forno por 40/45 minutos, 
ou até enfiar um palito e ele sair com alguns farelinhos grudados.

- Obs: O palito não deve sair seco; para que depois de frio o brownie continue úmido.
Depois de frio, raspe as bordas da assadeira com uma faca, e cuidadosamente levante o 
brownie da assadeira, segurando pelas bordas do papel-manteiga.
Coloque em cima de uma tábua de cortar, e com uma faca vá cortando em fileiras do 
tamanho que desejar.
- Importante: Passe a faca em água corrente cada vez que cortar uma fileira, e enxugue com papel-toalha. 
A faca estando limpa, deixará o corte mais retinho e bonito.
Corte novamente as fileiras na transversal, para formar os quadrados (ou retângulos).

Prosa
- Gosto de ir na casa da minha cunhada, eles cozinha muito e é sempre uma alegria estarmos juntos. 
Ela tem uma mão boa demais e tivemos essa delícia para o café dar tarde.
Escolhemos essa gostosura feita pela querida Helena, a quem agradeço a receita e dicas!
Cumadi... Obrigada pela visita, pelo carinho nos comentários, viu?!
Um bejim!
=)
Nota:
Receita: Brownie - Helena Gasparetto.


8 de outubro de 2014

Primitive doll com cheirim bão de lavanda!

Aprecio um bocado o estilo Primitive country! Orna purdimais com fazenda, casa de campo... 
É o rústico e o simples que tanto me agrada e me lembra de roçado!
Nada de muita firula, frescura... sem cerimônia, barreiras que impeçam o contato...
Quero porteira aberta, pé descalço pisando na terra... correr livre na grama.

Gosto de chegar cantando, de abraço apertado... demorado, de bater nas costas e dizer 
Entra prá cá... bora colocar a prosa em dia e tomar um café!
No fogão, água quente no bule esmaltado e na mesa velha de madeira um bolo recém assado.

O rádio ligado, na Am sintonizado... e 'seu' locutor escolhendo os modão de viola.
Assim é a vida boa pra mim... com panela ariada e a cozinha cheia de gargalhada!
                  
De que me adianta viver na cidade
Se a felicidade não me acompanhar
Adeus, paulistinha do meu coração
Lá pro meu sertão, eu quero voltar

Ver a madrugada, quando a passarada
Fazendo alvorada, começa a cantar
Com satisfação, arreio o burrão
Cortando estradão, saio a galopar
E vou escutando o gado berrando
Sabiá cantando no jequitibá

Meu sertão querido
Vivo arrependido por ter deixado
Esta nova vida aqui na cidade
De tanta saudade, eu tenho chorado
Aqui tem alguém, diz
Que me quer bem
Mas não me convém

Eu tenho pensado
eu fico com pena, mas esta morena
não sabe o sistema que eu fui criado
Tô aqui cantando, de longe escutando
Alguém está chorando,
Com rádio ligado

Que saudade imensa do
Campo e do mato
Do manso regato que
Corta as Campinas
Aos domingos ia passear de canoa
Nas lindas lagoas de águas cristalinas

Que doce lembrança
Daquelas festanças
Onde tinham danças e lindas meninas
Eu vivo hoje em dia sem Ter alegria
O mundo judia, mas também ensina
Estou contrariado, mas não derrotado
Eu sou bem guiado pelas mãos divinas

Pra minha mãezinha já telegrafei
E já me cansei de tanto sofrer
Nesta madrugada estarei de partida
Pra terra querida que me viu nascer

Já ouço sonhando o galo cantando
O nhambu piando no escurecer
A lua prateada clareando as estradas
A relva molhada desde o anoitecer
Eu preciso ir pra ver tudo ali
Foi lá que nasci, lá quero morrer


Artes - Aromaterapia

Estou começando engatinhar nas costurices... sem noção de onde partir, como cortar, 
falta controle nos pedais hahaha! É engraçado o começo...
As costurinhas saem tortas, enrugadinhas, meio desproporcional... 
mas, estou amando aprender! 

Queria muito fazer uma bonequinha assim... tenho muito que acertar, mas vê-la
pronta, com as bochechas rosadas e poder cheirar a barriguinha dela perfumada de 
lavanda... me fez sorrir, amar e apertar muito esse 'trenzim da roça'!=}

Preenchi com plumante e pinguei umas gotinhas de Óleo essencial de Lavanda.
Fiz o vestido e bordei o passarinho.

Obrigada pelo carinho, por me deixarem recadinho afetuosos!
Um bejim!
=)
Nota: 
Música: Saudade da minha terra - C&X

2 de outubro de 2014

Mãe à moda antiga! - Panô pra filha.

Acho que as feministas, modernistas vão 'pulá do quintu andá' ...
Sim... eu parei de trabalhar fora (pq dentro...) pra cuidar da minha casa. Aprendi lavar, passar,
cozinhar, bordar e finalmente... costurar! Cuido da horta, do jardim, do quintal e dos passarim.

Acompanhei cada etapa do crescimento da filha, as festinhas no colégio, o dentinho caindo, 
a primeira queda de bicicleta, as novas amiguinhas, os desenhos preferidos... 
o pedido de "benção, mãe!"... ao acordar e ao deitar. 
Estou sempre sentada à mesa nas refeições, perto no pedido de ajuda, na lição escolar,
na hora de 'tomar o ponto' para a prova.

Claro, fui bombardeada com críticas, deixei de ganhar dinheiro, ter uma carreira, 
cabelo escovado, unha feita e salto toda manhã... no lugar de cachos soltos, base incolor e tênis.
Mas, o que eu tenho na minha mente, nos abraços apertados, no pulsar do meu coração
ninguém me tira.

Passei muitos apertos, apuros, aprendi, ensinei e mesmo nadando c-o-n-t-r-a  a maré
deste mundo atual, corrido, sufocado, ganancioso... eu faria tudo de novo da mesma forma!










Enquanto bordava esse panô especialmente pra minha filha... 
me alegrava em lembrar de todos os dias vividos. 
Ser mãe sem manual não é fácil... e querer ser mãe à moda antiga
é um desafio... e eu tenho amado cumprir cada etapa!

Ela está uma mocinha, na 'temida' adolescência pra muitos... e minha colheita tem sido:
Filha responsável, que respeita pai, mãe e os mais velhos. Cada fase em seu lugar! 
Nunca concordei em ser adulta na infância, danças e música obscenas, palavrões... 
Hoje tenho uma amiga em casa, que pede permissão para sair, faz suas orações, estudiosa e sorridente.

Tem as dúvidas da idade, mas é sonhadora, adora ler, escrever, tocar, fazer artes e ainda...
brincar! E a melhor parte... ouvir sempre: "Amo a Deus, minha família e sou feliz!"

Não!... não sou e nunca serei feminista. Sou feliz sem o 'muito' lá de fora, aprendo com minhas
limitações e sou grata ao Senhor pela oportunidade de viver em novidade de vida!

" Ensina a criança o caminho que deve andar 
e ainda quando for velho, não se desviará dele. " - Prov. 22:6

Um bejim!
=)
Nota:
Arte: Bordei a menina sonhadora, colori com lápis aquarela da Faber-Castell
Costurei o panô pra ficar na porta do quartinho dela.